Linha de crédito Caixa concede dinheiro rápido e sem consulta ao SPC e Serasa; Saiba mais!

Imagem:Google

A Caixa Econômica Federal é uma das instituições financeiras mais antigas do Brasil. Com tantos anos no mercado, não surpreende que seu portfólio de ofertas seja um dos mais completos e inclusivos entre os demais bancos nacionais.


Quem precisa de dinheiro rápido, por exemplo, pode recorrer à modalidade de empréstimo sem consulta ao SPC e Serasa, chamado Desendo Caixa. A opção é ideal para pessoas que precisam urgentemente de capital e têm itens valiosos que podem servir como garantia nas transações.


Como funciona Penhor caixa?

O Bolão Caixa é uma modalidade de empréstimo disponibilizada pela Caixa Econômica Federal. Para isso, o cliente recebe dinheiro rapidamente de forma menos burocrática, oferecendo um item de valor como garantia de pagamento da dívida.


Em relação ao limite oferecido, pode variar entre R$ 50 (mínimo) e R$ 100 mil (máximo). Em alguns casos, o Bolão Caixa oferece até 100% do valor do imóvel entregue na forma de empréstimo. Esse percentual pode aumentar para 130% do valor do objeto quando o consumidor tiver um bom relacionamento com a instituição.


Sem consulta ao SPC e Serasa ou à necessidade de fiador, o prazo para pagamento da dívida também é vantajoso, podendo variar de 30 a 180 dias. Caso o cliente não consiga pagar o valor no período estipulado, também poderá solicitar a renovação do contrato.


Em relação às taxas de juros, a média geral do empréstimo da Caixa é geralmente justa e reduzida, variando de 1,7% a 2,25% ao mês. Entre a lista de valores aceitos, os mais comuns incluem: joias, pratarias, canetas de valor, metais nobres, pedras preciosas em geral, pérolas, relógios e diamantes cortados.


Como solicitar o empréstimoPenhor caixa?

Para concorrer ao Bolão caixa, o interessado deve ir a uma agência portando as mercadorias que serão avaliadas, bem como alguns documentos: RG ou CNH, CPF e comprovante de residência.


Após a apresentação da documentação, o objeto é avaliado por um funcionário da Caixa, que leva em conta os seguintes critérios para definir o valor da penhora: valor de mercado, tipo de produto, estado de conservação, entre outros.