Se você Recebeu SMS para devolver o Auxílio Emergencial, veja como Contestar a decisão do governo!

Imagem:Google

A devolução de auxílios emergenciais é obrigatória para 1,2 milhão de brasileiros. Na última semana, o Ministério da Cidadania passou a enviar SMS convocando parte dos destinatários do coronavoucher para reembolsar o governo de parcelas de R$ 600.

O pagamento ainda pode ser verificado se o cidadão pode provar que não recebeu da forma errada.


Os valores dos auxílios emergenciais tornaram-se dores de cabeça para mais de 1 milhão de brasileiros que receberam parcelas desde abril. Diante de uma série de inspeções judiciais, o governo constatou que parte dos beneficiários não estava incluída nas regras de concessão do programa.


Descobertos as fraudes, o Ministério da Cidadania começou a pedir a esse grupo que devolvesse os benefícios a serem feitos. Por meio de mensagens de SMS, a agência vem informando aos segurados que eles têm até o dia 31 deste mês para finalizar a dívida. No texto há o seguinte relatório:


"Quem receber a mensagem de texto pode contestar as informações através do site da Dataprev. O período para o desafio termina em 31/12. Após esse prazo, não será possível contestar, apenas proceder com a devolução do recurso recebido", diz nota divulgada pela Pasta.


Vale ressaltar que os números dos telefones estão sendo selecionados a partir do número do CPF de cada cidadão, para que ele receba um link onde ele deve gerar o cartão de restituição.


O governo também ressalta que as mensagens estão sendo enviadas apenas pelo número 28041, o que significa que qualquer outro relatório é um golpe.



Como contestar o retorno do auxílio emergencial

Para aqueles que foram intimados, mas querem contestar a decisão. Ainda há um período para solicitar a revisão. Nesse caso, é necessário se conectar ao site do Ministério da Cidadania, informar o número do CPF e solicitar uma nova análise a ser realizada.


O governo recomenda que o procedimento só deve ser realizado por aqueles que verificam todas as regras para a concessão do auxílio. Estando dentro das determinações o cidadão deve pedir uma nova chance.



Regras para a concessão de auxílio emergencial

Você tem direito a receber o benefício, tendo em vista todas as alterações da MP, o segurado que se enquadra nas seguintes regras:


  • Ter vínculo empregatício formal ativo adquirido após receber auxílio emergencial;
  • Receber benefício previdenciário ou auxílio-desemprego ou seguro-desemprego ou programa federal de transferência de renda, adquirido após receber auxílio emergencial, com a reserva dos benefícios do Programa Bolsa Família;
  • Ganhar renda familiar mensal per capita (por pessoa) acima de meio salário mínimo e renda familiar mensal total acima de três salários mínimos;
  • Seja residente no exterior;
  • Em 2019, recebeu rendimentos tributáveis (Imposto de Renda) acima de R$ 28.559,70;
  • Em 31 de dezembro de 2019, ele possuía posse ou propriedade ou direitos, incluindo terras nuas, com valor total superior a R$ 300 mil;
  • Em 2019, recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, sendo que a soma foi superior a R$ 40 mil;
  • Foi incluído, em 2019, como declarante dependente do Imposto de Renda pessoa física como cônjuge, parceiro com quem o contribuinte tenha um filho ou com quem tenha vivido por mais de cinco anos ou uma criança ou enteado com menos de 21 anos ou menor de 24 anos de idade que esteja matriculado no ensino superior ou ensino médio técnico;
  • Ficar preso em regime fechado;
  • Ser menor de 18 anos, exceto no caso de mães adolescentes; Ou
  • Tem uma indicação de morte em bancos de dados do governo federal.


Como devolvê-lo?

As restituições estão sendo feitas através do site do Ministério da Cidadania. Basta conectar, digitar o número do CPF e confirmar a consulta. Na sequência será apresentado um formulário solicitando dados de identificação pessoal do segurado.


Após o preenchimento, basta enviar e a guia de recolhimento do sindicato (GRU) será exibida. O pagamento foi feito pelos canais de atendimento do Banco do Brasil. 

Fonte: FDR

(Contestar Devolução do Auxilio)