INSS vai pagar abono extra de R$ 2.000 aos segurados? Veja.

Imagem: Google

Muitas pessoas foram afetadas pela pandemia Covid-19, perdendo seus empregos e ficando sem renda.

Mas não só esses trabalhadores sentiram os efeitos, mas também os segurados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Por isso, o baiano Jefferson Brandão elaborou uma sugestão legislativa (SUG) para pagar um subsídio extra no valor de R$ 2 mil a esse público.


De acordo com o texto da SUG nº 15/2020, aposentados e pensionistas do INSS, além do segurado que tem direito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC) poderá receber o valor extra. Isso é desde que o estado de calamidade pública no país seja eficaz.


O argumento para o pagamento é que o grupo em questão é a parcela vulnerável da população, especialmente porque se enquadra nos grupos de risco, e que eles não eram elegíveis para receber auxílio emergencial.


Oficializada em junho e com apoio popular, a proposta recebeu mais de 26 mil assinaturas, por meio de um abaixo-assinado virtual.
O texto ainda está em análise pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal.


Como funciona o subsídio extra de R$ 2.000?

A proposta propõe que aposentados, pensionistas e beneficiários do BPC, cuja renda seja de até três salários mínimos (R$ 3.135), recebam o abono extra de R$ 2.000. Os recursos extras visam mitigar os impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus.


Como já dito, a base da ideia é que a categoria seja uma das mais afetadas na crise do Covid-19, juntamente com os beneficiários dos programas sociais do governo federal.


Se aprovada, a SUG garantirá o subsídio no final do ano. Isso enquanto o decreto que estabelece o estado de calamidade pública no país, previsto até 31 de dezembro, for efetivo.


Se você quiser saber mais informações e verificar o andamento da proposta, visite o site da Agência de Notícias.