Onyx anuncia NOVO valor para Bolsa Família 2021 mudanças no programa.

Imagem: Google

Na última sexta-feira (11), o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, anunciou o novo valor para o Bolsa Família em 2021. Além disso, ele disse que o programa passará por diversas mudanças e ampliando o número de beneficiários.


Segundo Onyx, as mudanças serão anunciadas na terceira semana de dezembro. O pronunciamento ocorreu na sexta-feira (11) durante a entrega de 15 vans para o Programa de Aquisição de Alimentos, na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), no Recife.


O ministro disse ainda que haverá um aumento no valor do ticket médio pago aos beneficiários e o aumento das famílias contempladas, mas não deu mais detalhes, apenas classificou as mudanças como "revolucionárias".


Ele esclareceu que na terceira semana de dezembro divulgará todas as mudanças, assim que o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), autorizar.


Ele disse ainda que o novo formato do Bolsa Família buscará a emancipação por meio do emprego e terá mérito.


Estamos trabalhando nisso desde novembro do ano passado, quando eu ainda estava na Casa Civil. Depois que fui para a cidadania, continuamos trabalhando.

O programa está pronto, é um programa completamente diferente do que se pensava originalmente, muito mais eficaz e que vai trabalhar com a promoção das famílias. Vai trabalhar com emancipação através do emprego, além de trazer questões importantes de mérito para o programa", disse.


Onyx reafirmou sua lealdade ao governo de Jair Bolsonaro afirmando que a notícia só será repassada com o aval do presidente. O ministro disse que nenhum outro país tem as ferramentas do que será chamado de "Novo Bolsa Família".


Além disso, Onyx disse que está trabalhando na criação de uma linha de microcrédito para atender as pessoas que recebem ajuda emergencial hoje. A ideia é que esse grupo possa usar o valor para investir na sua empresa ou no trabalho informal.


"E também discutimos, internamente, trabalhar com um novo programa, também, de microcrédito, para poder atender principalmente esses informais, aqueles invisíveis, que precisam comprar ou produtos para que eles funcionem (..) para que ele possa então se inserir, já que as cidades voltaram a ter sua atividade econômica normal, e sustentar suas famílias", disse o ministro.