Anvisa autoriza uso emergencial de vacinas contra o Covid-19.


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou nesta quinta-feira, 10, que aprovou as regras para uso emergencial de vacinas contra o novo coronavírus.


O endosso permite que empresas farmacêuticas cujos testes de imunizante ainda estejam em andamento, mais especificamente na fase 3 dos estudos clínicos, solicitem o uso emergencial de seus candidatos no país.


Antes da decisão, era necessário que as empresas concluíssem completamente os ensaios clínicos antes de solicitar autorização para uso no Brasil.


A Anvisa cumpriu os requisitos para o pedido de uso emergencial de vacinas a partir da semana passada, mas sua diretoria colegiada ainda precisava decidir sobre o assunto.


"A autorização de uso emergencial é um mecanismo que pode facilitar a disponibilidade e o uso de vacinas contra o Covid-19, mesmo que não tenham sido avaliadas sob a peneira do registro, desde que cumpram os requisitos mínimos de segurança, qualidade e eficácia", disse Alessandra Bastos Soares, diretora da Anvisa e relatora do tema.


Até o momento, disse o diretor, nenhum farmacêutico apresentou um pedido para solicitar autorização para uso emergencial ou para registro de vacinas.


No Reino Unido, a agência reguladora do país deu uma permissão semelhante para imunizar quantias com as mesmas características divulgadas pela Anvisa, autorizando a aplicação da vacina da Pfizer em parceria com a BioNTech em seus cidadãos.


Os medicamentos continuam os testes

No momento, o Brasil tem quatro vacinas diferentes em teste, incluindo Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca, Johnson e Johnson e Sinovac/Butantan Institute. Todos os ensaios clínicos estão na fase 3.


Também no dia anterior, o Instituto Butantan informou que começou a fabricar doses de Coronavac, como é chamada a vacina chinesa Sinovac no país, embora ainda não tenha sido solicitado o registro da fórmula da Anvisa.