O Ex Presidente Lula recebe alta de hospital em SP após ser diagnosticado e internado com bactérias no sangue.

Imagem:Google

O ex-presidente Lula (PT) recebeu alta na manhã desta terça-feira (9) após ser internado no sábado (6) no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com bactéria, que é a presença de bactérias na corrente sanguínea.


De acordo com o relatório médico do hospital, o presidente foi medicado com antibióticos intravenosos.


"O paciente está clinicamente estável e recebeu alta esta manhã. Ele foi acompanhado por equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip e pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho", diz o boletim.


O hospital não disse se a bacteremia tem algo a ver com a broncopneumonia associada ao Covid-19 que o ex-presidente apresentou no final do ano passado.


Diagnóstico de Covid-19

Em 21 de janeiro, o ex-presidente anunciou que havia sido diagnosticado com Covid-19 em Cuba e colocado em quarentena no país, para o qual havia chegado em 21 de dezembro. Em nota, ele disse que não precisava ser hospitalizado e que já estava recuperado da doença causada pelo coronavírus.


Em Cuba, Lula também foi submetido a uma tomografia computadorizada, que mostrou lesões pulmonares – segundo o comunicado oficial, eram compatíveis com "Broncopneumonia associada à Covid-19".


Broncopneumonia é uma inflamação dos brônquios, enquanto pneumonia é uma infecção que se instala nos pulmões. Geralmente causada por bactérias mais comuns, a broncopneumonia é geralmente mais suave.


Viagem a Cuba

O ex-presidente viajou para Cuba com uma comitiva que tinha um total de nove pessoas -- e apenas uma não teve um resultado positivo para o coronavírus. O único a ser hospitalizado foi o escritor Fernando Morais, que teve complicações pulmonares.


Em janeiro, Lula também disse "que decidiu comunicar a doença apenas na chegada ao Brasil para preservar sua família e a dos outros infectados".


De acordo com o depoimento, Lula viajou a Cuba no final de dezembro para a filmagem de um documentário. Viajou com a esposa, a socióloga Rosângela da Silva, conhecida como Janja, e outras sete pessoas. Antes do embarque e ainda no Brasil, todos haviam sido submetidos a testes de RT-PCR.


Em 21 de dezembro, quando chegaram a Cuba, fizeram o mesmo teste, que não indicou nenhuma infecção. No entanto, cinco dias depois, seguindo os protocolos cubanos de testar viajantes, todos tiveram que repetir o teste, que finalmente encontrou os resultados positivos para Covid-19. Apenas um jornalista que acompanhava o grupo não estava contaminado.


No depoimento, Lula agradeceu pela "dedicação dos profissionais de saúde e do sistema público de saúde cubano". Disse ainda que o médico e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha acompanhou a evolução da doença "em contato direto e diário com médicos cubanos".

Fonte:G1