Você é consumista? Veja como identificar situação descontrolada.


A Black Friday está perto de acontecer, e é aí que muitas pessoas correm para shopping centers para comprar produtos a preços mais baixos - ou o famoso "meio duplo". Há outras pessoas que nem precisa esperar a data para tornar o consumo desenfreado, e é aí que está o problema.


O psiquiatra Luiz Guimarães, da clínica Holiste, explica que é preciso diferenciar o comportamento comum dos doentes. "O que está em jogo não é o comportamento em si, é a consequência do comportamento", diz ele.


Compulsão 

"As pessoas que compram compulsivamente geralmente têm uma ansiedade antes disso e fazem isso para ter um alívio de um sentimento negativo", explica. Ao realizar o ato de compra, a angústia sentida pela pessoa passa momentaneamente; no entanto, logo depois há arrependimento e, em seguida, a ansiedade retorna, criando assim um ciclo vicioso.  


O psiquiatra explica que, em sua maioria, essa compulsão se manifesta nas mulheres e muitas vezes o ato acontece como uma forma de presente para os outros, como um parente ou amigo.

"Quando compram para eles, geralmente se escondem porque já sabem que alguém em seu convívio pode criticar", diz ele. 


Identificação 

O psiquiatra lista algumas perguntas que a pessoa pode se perguntar para ajudar a identificar se está nessa situação de compra descontrolada. Eles são:  


- Você tem uma preocupação excessiva com as compras?  


- O tempo que você gasta em compras interfere nas suas relações sociais? 


- É natural perder o controle e comprar mais do que o planejado? 


- Você tem um esforço repetido e mal sucedido em tentar controlar ou reduzir as compras?  


- Você percebe que comprar é uma maneira de aliviar angústia, tristeza ou emoção negativa?  


- Você já teve que mentir para esconder a extensão de suas compras?  


- Você já teve problemas financeiros por causa disso? 


Se as respostas forem sim, o ideal é buscar orientação médica para lidar com o problema. "Muitas vezes a pessoa tem vergonha e só busca tratamento quando a situação já começa a interferir nas relações com os outros ou quando está sendo ameaçada de alguma forma", diz o psiquiatra.