25.4 C
São Paulo
segunda-feira, julho 22, 2024

Carros sofrem reajustes mais do que a inflação, mas a partir de 2023 eles podem até cair

Leia Mais

Comprar um carro no Brasil se tornou um assunto apenas para quem tem muito dinheiro (restante ou rolando). Os carros populares desapareceram e a razão é uma: os preços dos carros subiram mais do que a inflação em quatro dos últimos seis anos.

Segundo a consultoria Bright, o preço médio dos carros em novembro de 2017 era de R$ 75,6 mil e atualmente está em R$ 136,3 mil. A diferença é de R$ 60,7 mil. No entanto, como há inflação no período, o aumento real é ainda menor (mas ainda alto).

Com os preços em queda, o valor real a ser considerado em 2017 é de R$ 100,1 mil contra R$ 137,9 mil em 2022. A diferença é de R$ 37,8 mil. Até onde vai o aumento de preços? De acordo com o consultor da Bright, Casio Bagliarini, eles devem parar de escalar.

“Os preços se estabilizaram em 2022 – semelhante ao que fizeram em 2019 – e devem acompanhar a inflação no máximo em 2023”, disse Pagliarini em um artigo publicado na News Letter da Brigh Consulting. “É até possível que as taxas de transação caiam com a maior oferta de incentivos neste período. Dizemos que a lista de preços não é baixa, mas pode não aumentar.”

Previsão para 2023

Casio Bagliarini afirma em seu artigo que “o varejo continuará a aumentar a marcha de SUVs, crossovers e vans, principalmente devido à entrada de novos concorrentes”.

O especialista prevê ainda um aumento de mais de 70% no volume de veículos elétricos, “de cerca de 50 mil em 2022 para mais de 80 mil em 2023, mas com apenas 1/5 deles puramente elétricos para bateria”.

Balliarini também listou as questões pendentes deixadas pelo governo Bolsonaro para o novo governo de Lula, a partir de 1º de janeiro. Os tópicos são os seguintes:

  • Redefinir os impostos sobre veículos com o objetivo de descarbonização;
  • Organizar as próximas fases da Rota 2030 com foco nas competências do Brasil em biocombustíveis e futuros sistemas de células de combustível;
  • Ajuste das barreiras fiscais aos veículos elétricos importados, para que a produção nacional se torne possível;
  • Proporcionar meios de eletrificação gradual das frotas de autocarros urbanos;
  • Desenvolve nas negociações entre o Mercosul e a União Europeia para o comércio de veículos;
  • Promover o desenvolvimento de veículos acessíveis para aproveitar a capacidade de produção instalada.

No entanto, o novo governo pode ir além dessas questões. Pagliarini ignorou “questões que exigem investimentos significativos do governo simplesmente porque não têm recursos para esses destinos”. Ele conclui seu artigo na Bright Consulting observando que a melhoria da infraestrutura de carregamento de veículos elétricos deve permanecer mesmo com o setor privado (montadoras e parceiros de energia).