31.2 C
São Paulo
domingo, março 3, 2024
- Publicidade -spot_img

Saia do aluguel! Confira as dicas para realizar o sonho da casa própria em 2023

Leia Mais

Design sem nome 19

Em 2023, o governo federal estabeleceu novas regras para o programa Minha Casa Minha Vida, projeto habitacional que visa ajudar os moradores oferecendo subsídios e taxas de juros abaixo do mercado para facilitar o acesso a moradias populares e conjuntos habitacionais. Realizar o sonho da casa própria em poucos passos.

Com as mudanças, o governo espera que o cenário do país estimule o campo da construção civil, além da geração de empregos, com a meta de entregar até dois milhões de casas e apartamentos até 2026, sem esquecer de retomar obras paralisadas. As normas atuais mostram que o programa atende a diferentes perfis, divididos em três faixas de enquadramento, levando em conta a renda familiar. A iniciativa certamente atrai muitos cidadãos que desejam adquirir o primeiro imóvel. No entanto, muitos duvidam de como todo o processo funciona.

Para fazer parte do Minha Casa Minha Vida, é importante observar três fatores básicos: critérios de renda, cadastro e como as parcelas são pagas. Confira mais detalhes abaixo.

 

Casa própria: 3 pontos importantes sobre o programa

O critério focado na renda é um dos principais fatores que possibilitam a participação no projeto. As rotas atendidas pelo Minha Casa Minha Vida abrangem famílias que ganham:

  • Até dois salários mínimos mensais – faixa 1;
  • Até R$ 4,4 mil – Faixa 2;
  • Renda de R$ 4,4 mil a R$ 8 mil – Faixa 3.

Assim, as taxas de juros variam, assim como os subsídios. Assim, é importante comprovar o caminho em que você está envolvido para garantir as melhores condições que se adequem ao seu perfil.

Outro fator que você deve estar atento é o processo de inscrição. Os interessados devem buscar orientação na prefeitura ou em uma organização responsável por gerenciar a implantação do Minha Casa Minha Vida na região. Dessa forma, essas instituições auxiliarão no processo de inscrição, garantindo que todas as etapas sejam seguidas de acordo com os requisitos de garantia de participação. Nesta fase, a entrega de documentos é fundamental.

Após a contratação, o grupo familiar precisará se preocupar com parcelas, que podem variar de R$ 80 a R$ 330 para moradias urbanas, mas podem oferecer valores superiores a esses, dependendo das circunstâncias. Aqui, vale pesquisar formas de pagamento, como a amortização.

Últimas Notícias