21.7 C
São Paulo
sábado, março 2, 2024
- Publicidade -spot_img

O Minha Casa Minha Vida terá taxa suspensa. entenda

Leia Mais

Conselho Curador do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) aprovou a suspensão temporária da cobrança de financiamentos imobiliários que foram contratados âmbito de programas como o Minha Casa, Minha Vida. Entenda.
Imagem: Reprodução/Rede Brasil News

Nesta terça-feira, 25, o Conselho Curador do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) aprovou a suspensão temporária da cobrança de financiamentos imobiliários contratados no âmbito de programas como o Minha Casa e o Minha Vida. Entendimento.

Declaração

A medida, que tem validade de seis meses, vai beneficiar cerca de 700 mil famílias que não conseguem pagar as parcelas do financiamento por dificuldades financeiras.

Os pagamentos do Minha Casa Minha Vida terão uma pausa de 6 meses

Hildo Rocha, secretário-executivo do Ministério das Cidades, falou sobre esse comentário. “Vamos beneficiar 700 mil famílias, permitindo que elas se restabeleçam para que possam continuar fazendo pagamentos regulares”, disse, segundo o Valor Investe.

Ele disse ainda que foi a Caixa Econômica que propôs essa pausa nos pagamentos do financiamento do Minha Casa Minha Vida.

“Isso é importante para o mercado e está em linha com a política adotada pelo governo federal de garantir crédito (para as pessoas)”, disse Rocha, segundo o G1. 

Rocha revelou que há estudos que mostram que mais de 90% das famílias com dificuldades financeiras temporárias retomam seus pagamentos em dia se conseguirem cumprir um período de prazos.

O ministério também esclareceu que essa medida não trará prejuízos nem para pessoas com contas vinculadas ao FGTS nem para bancos que decidirem deixar de pagar parcelas. Isso porque os valores acordados com os clientes que estiverem com atraso no pagamento serão incorporados ao saldo devedor.

Mais recursos do FGTS

Também foi liberado um valor de cerca de R$ 28,85 de recursos do FGTS para financiar projetos de habitação popular, a pedido do Ministério das Cidades. Diante desse complemento, o orçamento inicialmente aprovado para essa meta, que era de R$ 68,1 bilhões, crescerá para cerca de R$ 97 bilhões.

“Será o maior recurso nominal aplicado pelo Estado em habitação popular, com recursos do FGTS. Quarenta por cento a mais do que no ano passado. Sem dúvida, vai criar um sistema muito positivo, quase 3 milhões de empregos diretos e a transferência de toda uma cadeia produtiva importante”, disse Rocha, segundo o G1.

Últimas Notícias