21.7 C
São Paulo
domingo, abril 21, 2024
- Publicidade -spot_img

Novo medicamento estão ajudando as pessoas emagrecer dezenas de quilos

Leia Mais

Post emprestimo financeira dinheiro emprestado. Post para Facebook 12

Depois de um estudo publicado no New England Journal of Medicine, uma droga anti-obesidade deixou os cientistas animados. Além de fazer o paciente perder peso, a medicação continua a servir como uma ferramenta contra os problemas subjacentes associados à obesidade, como diabetes, hipertensão, apneia do sono e articulações dolorosas.

A droga, chamada semaglutida (comercializada como Wegovy), é uma droga que deve ser injetada semanalmente. O estudo publicado em 2021, que incluiu 1.961 indivíduos com IMC na faixa de obesidade ou ligeiramente abaixo dessa faixa, mas com problemas de saúde relacionados ao peso, descobriu que, em média, as pessoas que tomaram simmaglutida perderam 14,9% de seu peso corporal inicial em 68 semanas, em comparação com apenas 2,4% para um grupo que recebeu injeções de placebo.

Esses resultados são quase o dobro do que as antigas drogas para perda de peso alcançam, de acordo com Robert Kushner, da Northwestern University, um dos principais pesquisadores do estudo. Evidências de pesquisas sugerem que, juntamente com a perda de peso, ocorrem reduções na pressão arterial, glicose no sangue e gorduras insalubres, bem como proteína C-reativa (uma medida de inflamação).

Kushner observou que a droga não visa apenas a perda de peso, mas para reduzir os riscos associados a doenças crônicas. “Queremos garantir que nossos pacientes se tornem mais saudáveis, não apenas mais magros”, disse ele.

O semaglutida é amplamente visto como progresso. A droga imita um hormônio intestinal chamado peptídeo semelhante ao glucagon-1 (GLP-1), que atua no pâncreas para aumentar a produção de insulina, no estômago para retardar o esvaziamento e no cérebro para reduzir o apetite e sinalizar saciedade.

Os pacientes podem comer menos comida e não ser incomodados pela fome e desejos. Outras drogas em desenvolvimento combinam dois ou três hormônios envolvidos no apetite.

O problema é que essas drogas devem ser usadas ao longo da vida, bem como medicamentos para diabetes, caso contrário, os benefícios são perdidos. De fato, um estudo de 2021 liderado por Dominica Rubino, diretora do Centro Washington de Controle de Peso e Pesquisa em Arlington, Virgínia (EUA), descobriu que as pessoas que tomam simmaglutida recuperam peso quando param de tomar a droga.A premissa desses tratamentos é que a obesidade não é uma condição transitória relacionada principalmente a fatores comportamentais e ambientais, como muitas pessoas a veem. Em vez disso, na opinião dos Institutos Nacionais de Saúde e da Associação Médica Americana, é uma doença crônica e recorrente que perturba vários sistemas fisiológicos.

No entanto, a perspectiva de injeções semanais ao longo da vida para manter a perda de peso levanta uma série de questões, que vão desde a segurança. Qualquer coisa que altere funções básicas, como metabolismo e equilíbrio energético, pode ter efeitos colaterais significativos. As pílulas alimentares agora proibidas da Fen-Phen causaram danos às válvulas cardíacas, por exemplo.

A maioria das pessoas que tomam simmaglutida experimentam náuseas e diarreia, mas geralmente são aliviadas ao começar com uma dose baixa. No estudo do New England Journal of Medicine, apenas 4,5% dos receptores de simmaglutida sucumbiram aos sintomas gastrointestinais.

Kushner também aponta que uma versão de dose mais baixa de simmaglutida, comercializada como Ozempic, tem sido usada para diabetes tipo 2 há mais de quatro anos, e o perfil de segurança é bom. Mas a dose mais alta tomada ao longo de muitas décadas pode ser outro problema.

A pressa em adotar uma droga injetável para a vida está deixando alguns pesquisadores de obesidade nervosos. “Como alguém que estuda intervenções no estilo de vida, sinto que nosso sistema de saúde está focado apenas no tratamento e não na prevenção. Só esperamos que as pessoas fiquem doentes para que possamos vender-lhes coisas como drogas”, disse Christa Faraday, professora de nutrição da Universidade de Illinois, Chicago (EUA).

Os especialistas concordam que a prevenção será, sem dúvida, melhor, mas Rubino diz que muitos de seus pacientes já estão doentes. Ela disse que sua equipe está sempre promovendo uma dieta saudável e mais exercícios, e os medicamentos fornecem suporte fisiológico para essas mudanças.

Últimas Notícias