21.7 C
São Paulo
sábado, março 2, 2024
- Publicidade -spot_img

Especialista explica como o consumo de álcool causa problemas graves para o cérebro humano

Leia Mais

Black And Yellow Simple Graphic Designer Email Signature 1
Imagem: Reprodução/Canva

Apesar de inúmeros anúncios relatando sobre o efeito do álcool no corpo, esta substância ainda faz parte da vida de muitas pessoas. Consumido com moderação, o efeito da bebida no corpo pode até ser reduzido. No entanto, o grande problema causado por isso está no consumo excessivo.

O abuso da ingestão é frequentemente frequente e pode causar sérios problemas de saúde, especialmente na área do cérebro. “Apenas duas pequenas doses de álcool podem causar alterações nas áreas do cérebro responsáveis pelo processamento de informações”, diz o Dr. Fernando Gomez, neurocirurgião e neurocientista da Das Clinicas DSP.

Depois disso, o médico explica como o álcool pode afetar a atividade cerebral e suas consequências para o corpo. Ver!

Por que o álcool afeta o cérebro?
O consumo de álcool afeta diretamente os neurotransmissores no cérebro. Isso leva à sua liberação em quantidades diferentes do habitual e aumenta o ácido gama-aminobutírico, que causa inibição, e a dopamina, que dá uma sensação de euforia após as primeiras doses.

Esse dano ocorre porque quando o álcool etílico, que está contido em bebidas alcoólicas, entra no corpo, um dos efeitos é o dano às células cerebrais e algumas delas morrem. Isso porque esta é uma substância solúvel em água que se acumula em quantidades críticas nos órgãos onde o sangue é mais abundante. E o cérebro é um deles.

Declaração

O córtex cerebral é a área responsável por todos os processos de pensamento, informação e consciência. Dr. Fernando alerta que “o dano acumulado causado pelo álcool nesta parte dificulta o pensamento lógico racional e o desenvolvimento normal da fala”. Ele também explica que há prejuízos na forma de caminhar, devido aos distúrbios que sofre no campo da coordenação motora e do controle inibitório – área responsável pelo que é popularmente conhecido como “governança”.

Outros danos ao corpo
Em altas doses, quando o álcool afeta a lâmpada (parte do tronco cerebral regula a respiração e a circulação sanguínea), há risco de obstrução da respiração. No entanto, na maioria das vezes, antes que isso aconteça, a sonolência aparece, e muitas pessoas sentem sono depois de beber; por esse motivo (e felizmente também), acabam não chegando ao coma alcoólico. Depois disso, vem a ressaca assustadora. Esta é a resposta do corpo à agitação que ocorreu no metabolismo. É aqui que o corpo sofre uma série de mudanças biológicas. O resultado é um conjunto típico de sintomas de envenenamento.

A explicação fisiológica relacionada a esse processo é: excesso de metabolismo do álcool, o corpo acaba sobrecarregando todos os órgãos envolvidos no processo, principalmente o fígado, onde são produzidas enzimas para o metabolismo do etanol. Enquanto bebe vorazmente, esse órgão também “absorve” a ideia de que precisa trabalhar “bêbado” e acaba pedindo mais álcool, pois entra em uma crise de abstinência. O resultado é dor de cabeça, desidratação, náuseas, diarreia e fadiga extrema.

O efeito do álcool no envelhecimento cerebral
Cada grama de álcool consumido faz com que o cérebro envelheça já em um dia e meio, de acordo com um estudo divulgado em 30 de janeiro na Scientific Reports, por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia (USC). Os cientistas usaram dados estruturais de exames de ressonância magnética de mais de 12.000 pessoas para calcular a expectativa de vida cerebral do álcool pesado e compará-la com a idade relativa do cérebro.

Declaração

Os resultados também mostraram menos anos para a massa cinzenta devido a sinais de deterioração dos órgãos. Apesar das descobertas, os cientistas concluíram que outros fatores também podem levar ao envelhecimento acelerado, como genética e estilo de vida.

Últimas Notícias