26.3 C
São Paulo
domingo, março 3, 2024
- Publicidade -spot_img

Mistério revelado! cientistas fazem descoberta de como as pirâmides do Egito foram construídas. Veja!

Leia Mais

A construção das pirâmides egípcias, especialmente as três pirâmides de Gizé – Khafre, Khakhofu e Menkaure – permaneceu um dos maiores mistérios da história, especialmente considerando os limitados recursos tecnológicos disponíveis na época. Este mistério se estende além dessas famosas estruturas para incluir aproximadamente 120 pirâmides descobertas ao longo do Nilo, o berço da civilização egípcia.

Avanços recentes na tecnologia de satélites melhoraram a compreensão arqueológica. Ah, Dora. Iman Ghoneim, especialista em processamento de imagens de satélite da Universidade da Carolina do Norte em Wilmington, liderou uma equipe internacional em uma importante descoberta arqueológica, muitas vezes usando tecnologia de satélite. Essa equipe, formada por especialistas dos Estados Unidos, Austrália e Egito, se concentrou no uso de imagens de radar de abertura artificial (SAR), análise geofísica e amostragem de solo em suas pesquisas.

Seu trabalho levou à identificação de um antigo ramo do Nilo, chamado Ramo das Pirâmides, que se traduz como “Caminho das Pirâmides” em árabe. Este ramo se estende por 100 quilômetros paralelo à série de estruturas antigas, estendendo-se do Oásis de Fayoum, no sul, até o Planalto de Gizé, no norte. Existe uma teoria de que esse canal pode ter sido útil no transporte de materiais para a construção das pirâmides e facilitar a movimentação de mão de obra necessária para essas enormes tarefas.

Embora a existência de tal hidrovia tenha sido previamente confirmada, sua localização exata ainda é desconhecida. O agrupamento de pirâmides ao longo da borda ocidental do deserto do plano aluvial do Nilo indica a presença de um grande curso d’água no passado, potencialmente relacionado a essas construções monumentais.



Em um contexto relacionado, o Sudão detém o recorde de maior número de pirâmides do mundo, com cerca de 255 pirâmides, variando em altura de 6 a 30 metros, construídas entre 1070 e 350 a.C. Essas pirâmides, apesar de sua pequena estatura em comparação com suas contrapartes egípcias, contribuem para uma compreensão mais ampla da construção de pirâmides na região.

A descoberta da localização exata do ramo das pirâmides fornece evidências conclusivas que apoiam a teoria de que a construção das pirâmides egípcias envolveu um extenso trabalho e um sofisticado sistema de transporte fluvial. Essa descoberta também levanta questões sobre quanto tempo essa rota fluvial opera e as razões por trás de seu eventual desaparecimento.


A demarcação do ramo das pirâmides e a identificação de suas estações podem levar à descoberta de pirâmides anteriormente perdidas e outros assentamentos no deserto egípcio. Pesquisas sugerem que o ramo das pirâmides, que se cruza com 38 locais piramidais diferentes, era alimentado por numerosos afluentes, demonstrando um sistema de transporte de água antigo, complexo e eficiente.

Ao longo dos milênios, a região do Nilo passou por grandes transformações climáticas e geográficas, enterrando este canal vital, vital para a construção desses famosos monumentos.

Com foco na Grande Pirâmide de Gizé, a maior das três perto do Cairo, consiste em cerca de 2,3 milhões de blocos de calcário, cada um pesando cerca de 2.500 quilos. Embora ainda não haja consenso sobre como os trabalhadores egípcios conseguiram empilhar cada bloco para atingir sua altura de 145 metros, a descoberta do ramo das pirâmides lança luz pelo menos sobre como esses enormes blocos foram transportados para o local.

Últimas Notícias