17.7 C
São Paulo
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img

Governo bloqueia 1,2 milhão de beneficiários do Bolsa Família por investigação Unipessoal; Entenda

Leia Mais

A consulta com a nova parcela do Bolsa Família que cai na próxima sexta-feira, 14, já está disponível no aplicativo e para muitos a resposta não tem sido boa. O governo federal bloqueará o subsídio para 1,2 milhão de famílias em abril porque são famílias unipessoais.

Ao longo desta semana, vários beneficiários notaram o alerta do Bolsa Família que foi bloqueado por meio de investigação pessoal. A mensagem aparece logo abaixo dos valores das parcelas de abril, que também tem um ícone amarelo indicando que o recurso está bloqueado para saques.

Segundo informações do jornal O Globo, o Ministério do Desenvolvimento Social continuará cancelando mais 125 mil matrículas de famílias que não se enquadram mais no perfil do programa social.

“Na primeira onda, encontramos pessoas com alta renda. Agora, que posição encontramos? A família na qual o marido se juntou, a esposa se juntou e o filho se juntou. Ou seja, três pessoas da mesma família se juntaram como se fossem três famílias. O Bolsa Família é focado na família, o que é necessário é garantir um procedimento de renda que possa atingir um nível de renda para suprir o consumo”, explicou o ministro.

A revisão começou no mês passado, quando 1,3 milhão de Bolsas Família foram banidos por terem uma renda mensal maior que lhe permitia receber benefícios.

O Bolsa Família será proibido em abril para 1,2 milhão de famílias solteiras. Imagem: Busca por competições

O Bolsa Família foi bloqueado por investigação pessoal, o que fazer?

Em abril, a investigação de registro se concentrará em famílias unipessoais. No total, o governo vai analisar o cadastro de mais de 8,2 milhões de brasileiros que se cadastraram no Cadonico para informar que moram sozinhos.

O objetivo é identificar possíveis fraudes e eliminar o benefício de quem recebe sem estar nas bases do Bolsa Família, uma vez que o número de famílias unipessoais cresceu muito durante o período eleitoral.

Para regular esse processo de pente fino, o governo separou os registros de uma pessoa em grupos.

Neste mês, quem entrou no programa entre agosto e dezembro de 2022, quando ainda se chamava Auxílio Brasil, o recurso será bloqueado.

Outros grupos serão investigados nos próximos meses, veja quem são:

  • Ano 1 – Família de uma pessoa do PBF com dados incluídos ou atualizados no registro individual entre agosto/2022 e dezembro/2022.
  • Ano 2 – Família de uma pessoa do PBF com dados incluídos ou atualizados no cadastro individual entre junho/2022 e julho/2022.
  • Ano 3 – Família unipessoal do PBF com dados incluídos ou atualizados no cadastro individual entre março/2022 e maio/2022.
  • Ano 4 – Família de uma pessoa do PBF com dados incluídos ou atualizados no cadastro individual entre novembro/2021 e fevereiro/2022.
  • Ano 5 – Família de uma pessoa do PBF com dados incluídos ou atualizados no cadastro individual até outubro/2021.
  • Ano 6 – Registros de uma única pessoa para beneficiários não PBF.

Como reverter o Bolsa Família proibido?

De acordo com o ministro do MDS, os beneficiários que se cadastraram durante o período eleitoral podem voltar a receber o Bolsa Família após atualizar as informações do cadastro individual e confirmar o cumprimento das regras do programa.

Assim, será estabelecido um prazo para que a família se dirija pessoalmente ao CRAS para atualizar seu cadastro. Segundo ele, o governo pagará retroativamente as parcelas que não puderem ser retiradas durante a proibição de competência.

Fazemo-lo com muito cuidado. Uma pessoa tem o direito de avançar. Muitos deles continuarão a receber a quantia certa para sua família. O que estamos trabalhando é para garantir que se evitem a injustiça.

Confira abaixo a lista de documentos necessários para atualizar o cadastro do Bolsa Família:

a) Para Família Responsável (RF): CPF, ou sobrenome do eleitor, preferencialmente. Somente créditos documentais de famílias indígenas e quilombolas estão isentos dessa obrigação, podendo apresentar qualquer outro documento aceito pelo cadastro único.

b) Para os outros membros da família: a RF deve fornecer pelo menos um dos seguintes documentos para cada componente do agregado familiar:

  • CPF, preferencialmente; ou
  • Certidão de nascimento; ou
  • Certidão de casamento;
  • Certidão de Nascimento Administrativa Indígena (RANI) – para Povos Indígenas que possuam apenas este documento; ou
  • Carteira de identidade (RG); ou
  • Cartão de Trabalho e Segurança Social; ou
    Sobrenome do eleitor.

c) Para o Oficial de Justiça (RL): CPF e documentos do representante a serem registrados, bem como documentos comprovativos de guarda/tutela ou
Cortella.

Como saber se o Bolsa Família está proibido?

Ao fazer a consulta por meio do aplicativo de software, o beneficiário poderá ver o ícone ao lado de cada recurso no extrato da conta. O símbolo verde indica que o valor é liberado para a família sacar assim que chegar a data estipulada no calendário, já que a retirada do Bolsa Família não pode ser esperada.

Para alguns, o aplicativo exibe o ícone amarelo, indicando que a peça está bloqueada na conta. Para resolver esse problema, é necessário procurar atendimento no CRAS do seu município ou ligar para o 121 da MDS.

Quando a consulta foi realizada pela Caixa Tem, parte dos inscritos na proibição do Bolsa Família foi notificada da seguinte mensagem:

Carta do Bolsa Família – juros são bloqueados por investigação. Você precisa esclarecer suas informações de registro. Se você realmente mora sozinho, procure o setor de cadastro individual em sua cidade até o dia 16 de junho e atualize seu cadastro para evitar o cancelamento do benefício do Bolsa Família. Para mais informações, ligue para 121. A razão – aves de bacalhau uma pessoa. pp. 1-76.

Últimas Notícias