Novo documentário polêmico mais assistido da Netflix : O Homem Mais Odiado da Internet estreou HOJE; Conheça a história

Imagem: Reprodução/Google



Com tanto ódio na internet, não é fácil se tornar o homem mais odiado da Internet. Mas Hunter Moore conseguiu, e agora a história de seus crimes e a luta da mãe para trazê-lo à justiça será tema de uma das séries mais esperadas da Netflix em julho, que estreará no dia 27 no Brasil.


Dos mesmos produtores de Tinder The Scammer e Don't F**k With Cats, The Most Odiated Man online é a história do indivíduo por trás do site "determinado a destruir vidas", nas palavras de uma fonte ouvida no documentário. Fotos e vídeos íntimos foram postados não só lá, mas também nomes completos, detalhes de carreira ou estudo e links para as redes sociais das mulheres, para garantir que imagens que deveriam ser privadas invadam a vida pública das vítimas.




Tudo isso enquanto Moore lutava com o grande número de greves e assumiu publicamente alguma falta de remorso e menos culpa até agora. Capas de revistas, reportagens de televisão e reclamações oficiais não foram suficientes para detê-lo, já que a mãe de uma das vítimas era a principal autora do encerramento de suas atividades e sua responsabilização pelos crimes que havia cometido.


Nesta história em particular, O Homem Mais Odiado da Internet, bem como sobre as pessoas que seguiram Moore quase como na adoração, simulando suas posições e ameaçando as vítimas das publicações que ele dirige. Serão três episódios sobre essa história e seus efeitos na vida das vítimas e participação na remoção do local da vingança.


Quem é o homem mais famoso da Internet?

Hunter Moore tinha 24 anos quando fundou o Is Anybody Up? (Alguém acordado?) Durante os dois anos no ar, tornou-se um centro de compartilhamento de fotos íntimas online. Lá, os usuários foram convidados não só para hospedar fotos e vídeos, mas também informações pessoais para as fotografadas, especialmente mulheres jovens - incluindo menores de idade.


Hunter Moore acreditava ser intocável e se gabava de destruir vidas, principalmente de mulheres, no início dos anos 2010 (Imagem: Divulgação/Netflix)


Ex-amigos, criminosos cibernéticos ou pessoas descontentes eram os principais nutrientes da página, motivados por vingança e ataques pessoais. Não só as próprias mulheres foram citadas, mas também locais de trabalho e detalhes de pais e cônjuges, como um apelo à perseguição pública e difamação daqueles que apareceram no site.


À medida que a página ganhou reconhecimento, Moore começou a se referir a si mesmo como um "destruidor de carreiras" e "rei da vingança", oferecendo às suas redes sociais um estilo de vida cheio de festas, álcool e muito mais, explicando que todo o dinheiro vinha dos lucros de um site dedicado à exibição de fotos privadas. Ele até postou pedidos que vinham por e-mail para remover as imagens do ar, explicando que seu objetivo final era a humilhação, pura e simples.


Em uma espécie de agradecimento pelo mal cometido por terceiros, como mencionado na carta que confirmou o envio das fotos para Is Any Up?, Moore também zombou das autoridades. Ele respondeu a intimações e ordens para remover o conteúdo do ar com risos, assim como fez quando foi fisicamente atacado por uma jovem cujas fotos foram postadas no site. Um golpe foi atingido por uma caneta no ombro do responsável pelo local, gerando uma onda maior de ódio e ridicularização.


O termo "homem mais famoso da Internet", que também batiza a série da Netflix, foi cunhado por uma reportagem da rede britânica BBC em 2012, quando Moore ainda acreditava que estava no seu auge. Afinal, ele dirigia um serviço com 100 milhões de visitas que fez $25.000 em lucros mensais sem fazer nada além de falar sobre bobagens online.


Charlotte Laws fez dossiê sobre O Homem Mais Odiado da Internet após a filha ser uma das vítimas do site de pornô de vingança gerenciado por ele (Imagem: Divulgação/Netflix)


No mesmo ano, no entanto, os eventos começaram a mudar quando o FBI começou a investigá-lo, um reflexo direto das ações de Charlotte Lowes, uma ativista e mãe de uma das vítimas, que compilou um arquivo contendo evidências de mais de 40 vítimas das ações do criador do site. Depois de se gabar que incluía comprar uma arma para atacar qualquer um que publicou a história na imprensa e até mesmo ameaçar detonar a redação de um jornal americano, o processo foi adiante.


Ao mesmo tempo, uma trama de bastidores envolvendo James McGibbney, o fundador de um site projetado para expor traições em relacionamentos, se desdobrou como um grupo de hackers anônimos. Juntos, ele e Laws acabaram contribuindo ativamente para o fim de Is Anyone Up? E acima de tudo, para acabar com o estilo de vida de Moore.


James McGibney se uniu ao grupo hacktivista Anonymous para derrubar o site d'O Homem Mais Odiado da Internet (Imagem: Divulgação/Netflix)



Fraude, investigação e prisão


Mesmo antes da investigação acabar, Moore vendeu alguém? Para bullyville, uma organização americana anti-bullying que tirou a página do ar em abril de 2012. No entanto, o criador não sabia disso, e na época, ele disse que estava cansado de receber ameaças de morte e processos judiciais, embora afirmasse que este não era seu fim no mundo da pornografia. No entanto, a realidade logo veio à tona quando seu nome foi estampado nas páginas dos jornais como parte da investigação do FBI.


Também entre aqui uma das origens de outras leis. Embora no início de 2010, a retaliação fosse tão desconhecida para o público que muitas autoridades culpavam as vítimas retratadas nas fotos por se permitirem registrar dessa forma, o mesmo não valia a pena para o crime cibernético. Isso ainda era novo na época, mas era muito mais reconhecido como algo que exigia investigação das autoridades.


Site d'O Homem Mais Odiado da Internet foi vendido para organização de luta contra o bullying sem que ele soubesse, saindo do ar da noite para o dia (Imagem: Reprodução/Vice)


A ativista descobriu que muitas das imagens disponíveis em Is Anybody Up? Foi obtido pelo próprio Moore em parceria com um criminoso cibernético chamado Charles Evans, que foi pago para invadir as contas de e-mail de mulheres que acabaram com suas fotos no site. Isso resultou em acusações de conspiração, acesso não autorizado a computadores e roubo de identidade do chamado "Rei da Vingança", que foi preso em 2014.


Enquanto isso, McGibbney ficou ao lado de membros anônimos na obtenção de informações sobre Moore, que não só incluíam seus próprios dados, mas também detalhes do processo IS Any Up?. Acontece, por exemplo, que ele não ganhou tanto dinheiro quanto alegou nas redes sociais, tornando mais fácil aceitar uma proposta de compra baixa diante das acusações iminentes.


 O Homem Mais Odiado da Internet, Moore foi preso em 2015 e condenado a dois anos de prisão, além de multas e indenizações de mais de US$ 250 mil (Imagem: Divulgação/Netflix)


Desaparecimento repentino de imagens íntimas e redirecionamento há alguém lá em cima? Para o site de bullying, isso prejudicou a reputação de Moore na frente de seus seguidores. Ele passou a dizer publicamente que abriria um novo site, enquanto McGebbney foi acusado de abusar sexualmente de crianças e fez ameaças de abuso de sua esposa, antes de desaparecer dos olhos do público como o cerco das autoridades e os novos ataques anônimos que o assustaram foram encerrados.


Em 2015, ele se declarou culpado das acusações e foi condenado a dois anos e meio de prisão, juntamente com outras três liberdade condicional, além de uma multa de US$ 2.000. Ele também foi condenado a pagar a McGibbney $250.000 por ameaças feitas após a venda de "Alguém está chegando?"


Murray também foi banido do Facebook desde 2011, mesmo ano em que A Day to Remember se recusou a tocar em um festival de música quando descobriu que o acusado estava na plateia. Esta posição foi tomada por respeito às vítimas, incluindo o baixista Joshua Woodard, cujas fotos íntimas foram postadas em "Há alguém chegando?" algumas semanas antes da apresentação.


Moore deixou a prisão em 2017, e em raras ocasiões quando falou, disse que estava escrevendo um livro sobre sua história e trabalhando em um projeto de música eletrônica. Seu perfil no Instagram permanece no ar como um dos poucos registros dos tempos de esbórnia em que ele jurou que era intocável.


Quando é que O Homem Mais Odiado estreia online na Netflix?


O Homem Mais Odiadiado chega online na Netflix hoje (27) de julho. Os três episódios de uma hora da curta série documental chegam simultaneamente. A produção é escrita por Alex Maringo (Bandit on TV) e Adam Hawkins (Três Estranhos Idênticos), dirigido por Rob Miller (Ratko Mladic Trial).

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem