Governo dá NOVO prazo para contestação do auxílio emergencial: Quem tem direito e qual o prazo?

Imagem: Reprodução/Google



Um novo prazo de contestação do auxílio emergencial foi concedido aos beneficiários. Desta vez, terão direito ao procedimento aqueles que receberam a primeira parcela, mas que tiveram o benefício cancelado logo em seguida.


De acordo com o Ministério da Cidadania, este grupo tem o prazo de dez dias para contestar a suspensão do benefício.
Desta forma, o prazo que teve início na última terça-feira, 18, terminará no dia 28 de maio. 


Ressaltando que o prazo mencionado é válido para os beneficiários aprovados pelo site ou aplicativo do auxílio emergencial. Enquanto isso, os inscritos no Bolsa Família têm até o dia 1º de junho para contestar o resultado.


O Ministério da Cidadania explicou que os cancelamentos ocorreram devido às revisões mensais realizadas pelo Governo Federal. O método, conforme prometido, visa verificar se os beneficiários permanecem respeitando os critérios de elegibilidade para o auxílio emergencial de 2021. 


Para verificar o direito às próximas parcelas do benefício, basta acessar uma das seguintes plataformas:


  • Aplicativo do auxílio emergencial;
  • Site: auxilio.caixa.gov.br;
  • consultaauxilio.cidadania.gov.br.

Através das duas últimas plataformas, também é possível fazer a respectiva contestação em caso de cancelamento.
Para isso, o beneficiário precisa fornecer alguns dados pessoais como nome completo, número do CPF, data de nascimento e nome da mãe para ter acesso à página contendo o histórico de transações do auxílio emergencial.


Em seguida, o usuário deve apenas clicar no botão indicado para a contestação logo após o resultado referente ao auxílio emergencial, para então, concluir o procedimento. 


Se a razão que motivou o cancelamento do Auxílio Emergencial 2021 permitir contestação, o registro do cidadão será reanalisado pela Dataprev e o trabalhador poderá voltar a receber, se aprovado”, informou a pasta.


Neste sentido, o Dataprev divulgou um levantamento capaz de indicar a quantidade de contestações recebidas pelo órgão, todas referentes ao cancelamento da primeira parcela do auxílio emergencial. Conforme apurado, foram enviadas mais de 1 milhão de solicitações de revisão somente entre o período de 2 a 11 de maio.

 

Por outro lado, o Governo Federal já efetuou o pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial para 39 milhões de beneficiários. Deste total, 10 milhões se referem aos inscritos no Bolsa Família; 5,27 milhões inscritos pelo Cadastro Único (CadÚnico) e os 23,89 milhões restantes que se cadastraram pelo site ou aplicativo do benefício. 


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem