EUA: Sofre ataque de hacker e deixa postos sem combustíveis no país.

Imagem: Reprodução/Google

Um ataque de ransomware paralisou uma empresa de distribuição de combustíveis nos EUA, sendo ela responsável por 45% do atendimento aos postos da Costa Leste americana.


O ataque cibernético de malware interrompeu os dutos de combustíveis da empresa Colonial Pipeline Company, que administra a maior rede de oleodutos para combustíveis dos EUA, com o mesmo nome.


Com isso, gerou-se pânico em muitos estados da Costa Leste, com motoristas buscando desesperadamente abastecer seus carros, o que contribuiu para a escassez de combustível em muitas regiões.


O site GasBuddy, que monitora os preços dos combustíveis nos EUA rapidamente caiu após um número de acesso incrivelmente alto, devido às pessoas estarem em busca de preços melhores, visto que preços abusivos já foram registrados.


Na Virgínia, 7,5% dos postos ficaram sem gasolina, enquanto a Carolina do Norte registrou 5%. Por lá, alguns motoristas simplesmente abasteceram galões extras para enfrentar uma possível crise no abastecimento, um deles foi flagrado abaixo:


Enquanto muitos buscam preços melhores, outros apenas querem abastecer, temendo ficar sem gasolina pelo caminho. Contudo, a Colonial Pipeline Company informou que retomará a distribuição de gasolina por etapas.


Ainda assim, o governo americano declarou emergência nacional na Costa Leste e a previsão é de escassez de combustíveis de Atlanta até Nova Iorque, dado que muitos postos ainda possuem gasolina estocada.


Entretanto, diante da crise, a demanda ficou fora do normal, o que tende a acelerar o fim desses depósitos de combustíveis. Na Colonial Pipeline, parte do sistema teve que ser operado manualmente para retomar o fluxo nos dutos da empresa, mas isso não é o suficiente para normalizar a situação.


Enquanto a petrolífera busca retomar o ritmo, o governo americano investiga o caso através do FBI, já tendo identificado o hacker DarkSide como responsável pelo ataque. Washington não dá detalhes da investigação, mas o caso mostra como as redes de empresas estratégicas estão vulneráveis a ataques cibernéticos.


[Fonte: Carscoops]