Teve o Bolsa Família cancelado? Saiba quais são os critérios do programa para não perder o benefício


Durante a pandemia, muitos brasileiros perderam ou tiveram sua renda reduzida, e por isso tiveram que recorrer ao apoio do Governo Federal. Uma das medidas criadas para lidar com a crise foi o auxílio emergencial, que nesta nova rodada terá quatro parcelas de R$ 150 a R$ 375, a serem pagas até o mês de junho.


Ainda o Bolsa Família, que inclui mais de 14 milhões de pessoas. Para ter direito ao benefício mensal, essencial para a sobrevivência dessas famílias, é necessário atender aos critérios do programa social, que envolvem renda e educação e práticas de saúde.


Após a aprovação do programa, é realizado um acompanhamento mensal para verificar os exames médicos da família e a frequência escolar das crianças menores de idade. A cada dois anos, o Ministério da Cidadania requer uma atualização cadastral, e os beneficiários que não fizerem o procedimento podem ter os pagamentos suspensos ou cortados.


Critérios do Bolsa Família

Confira a seguir confira quais são os critérios do programa Bolsa Família que os inscritos devem cumprir para não ter o benefício cancelado:


  • As crianças em idade escolar (6 a 17 anos) devem estar matriculadas em instituição de ensino;
  • Crianças de 6 a 15 anos devem frequentar menos de 85% das aulas, enquanto os familiares, com idades entre 16 e 17 anos, devem frequentar pelo menos 75% das aulas;
  • Calendário de vacinação para crianças da família com até sete anos deve ser atualizado;
  • Para gestantes, é necessário comprovar o pré-natal.

Suspensão das revisões de registro

Com o agravamento da pandemia, o governo decidiu suspender a realização de revisões cadastrais e procedimentos operacionais no Bolsa Família e no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) por seis meses.


Isso significa que, nesse período, como as famílias que não estão atendendo aos requisitos do programa não terão o benefício bloqueado, uma vez que não será realizado como investigações e revisões, bem como a verificação da frequência escolar e exames médicos.


Segundo a pasta, os procedimentos foram suspensos para evitar aglomerações e garantir a segurança dos beneficiários e das pessoas que trabalham nas unidades de registro do programa.