Ministro Guedes fala sobre estimativa no novo valor do Auxílio Emergencial.

Imagem:Google

Na última segunda-feira (02/08), Paulo Guedes comentou sobre o valor do novo auxílio emergencial em 2021.

O ministro da Economia disse que não é ele quem define os valores das próximas parcelas. Durante discurso sobre a proposta de autonomia do Banco Central, Guedes explicou que os detalhes devem ser trabalhados em conjunto.


"Não sou eu (quem decide sobre o valor do novo auxílio emergencial). São todos juntos", disse ele. Vale lembrar que o presidente Jair Bolsonaro já admitiu a possibilidade de aprovar um novo auxílio no início de 2021. No entanto, o chefe do Executivo destacou o risco causado pela extensão do programa, que já custou cerca de R$ 300 bilhões no ano passado.


Novo número de auxílios emergenciais em 2021 e impactos fiscais

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a prorrogação do auxílio emergencial ainda é um tema "difícil". Isso porque as novas parcelas podem comprometer a regra do teto de gastos públicos.

Em suas próprias palavras, o governo estuda formas de aprovar o programa sem afetar os cofres públicos.


"Estamos conversando, temos que ter o compromisso com a responsabilidade fiscal", disse Guedes na última segunda-feira (02/8) durante visita à Câmara dos Deputados. Para mitigar os impactos que podem ser causados pelo novo auxílio emergencial, a equipe do governo pretende atribuir um novo valor para auxílio emergencial 2021 (parcelas de R$ 200).


Perspectivas de novos auxílios de emergência

Segundo a CNN, o novo auxílio emergencial em 2021 pode ser chamado de "BIP" (Bônus de Inclusão Produtiva). O programa será elaborado com base em regras ainda mais rígidas, com a possibilidade de retirar os inscritos no Bolsa Família da lista de beneficiários.


Aparentemente, o governo quer focar apenas nos brasileiros que são trabalhadores na forma. Além disso, os beneficiários do novo auxílio emergencial terão que passar por programas gratuitos de qualificação profissional. O objetivo será preparar os trabalhadores para o mercado.