INSS: Veja quais são os valores para formais e autônomos a partir de fevereiro.

Imagem:Google

Para ter direito a benefícios previdenciários como aposentadoria, auxílio-doença e pensão por morte, os trabalhadores devem contribuir mensalmente com uma alíquota para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
Para 2021, essas alíquotas de contribuição foram ajustadas em 5,45% de acordo com a inflação acumulada em 2020.


As novas contribuições se concentrarão na folha de pagamento de janeiro, paga em fevereiro, pois os salários de dezembro, repassados no início de janeiro, ainda tinham descontos sobre os valores antigos. Tanto os trabalhadores formais do setor privado, quanto os trabalhadores autônomos e os contribuintes individuais tiveram um ajuste nos valores de contribuição.


O Microempreendedor Individual (MEI) também teve um aumento na taxa, os trabalhadores dessa categoria contribuem por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). O contribuinte individual e o facultativo, que não possuem atividade remunerada, escoam o pagamento por meio da Guia de Seguridade Social (GPS) de acordo com um código. Veja abaixo:


Trabalhadores com carteira assinada

Confira as novas faixas fiscais para fins de arrecadação de acordo com o salário médio dos trabalhadores do setor privado:


  • para quem ganha até R$ 1.100 - 7,5% de desconto
  • para quem ganha de R$ 1.100,01 a R$ 2.203,48 - 9% de desconto
  • para quem ganha de R$ 2.203,49 a R$ 3.305,22 - 12% de desconto
  • para quem ganha de R$ 3.305,23 a R$ 6.433,57 - 14% de desconto

Meis

É uma categoria de contribuintes individuais do INSS, a forma de pagamento é através da guia do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) que começará a partir do vencimento em 22 de fevereiro.

A contribuição é de 5% do salário mínimo (R$ 55) mais impostos:


  • R$ 1 do ICMS, se você desenvolver atividades comerciais e industriais
  • R$ 5 iss, se você é um prestador de serviços
  • O valor pode chegar a R$ 61 por mês.

Contribuintes Opcionais

Estudantes, donas de casa e desempregados – contribuinte facultativo (código 1473): contribuição é de 11% do salário mínimo e o valor é de R$ 121 por mês.


Renda familiar inferior a dois salários mínimos inscritos no Sistema Único de Registro (CadÚnico) - contribuinte facultativo (código 1830): contribuição de 5% do salário mínimo, o valor é de R$ 55 por mês.


Contribuintes Individuais

Trabalhadores autônomos que prestam serviços a pessoas físicas – contribuinte individual (código 1163): a contribuição é de 11% do salário mínimo. O valor é de R$ 121 por mês.


Trabalhador autônomo que presta serviços a pessoas jurídicas - contribuinte individual (código 1120): contribuição é de 20% do salário mínimo até o valor do teto do INSS equivalente a R$ 6.433,57. Nesse caso, os trabalhadores têm direito a deduzir 45% da contribuição mensal, pois a empresa contratante é responsável por descontar 11% do valor pago ao INSS.