Conheça 22 benefícios que você pode receber após o fim do programa.

Imagem:Google

Os pagamentos de auxílio emergencial foram concluídos em 29 de dezembro, e apenas o saque e as transferências continuam a ser liberados durante janeiro.

Embora vários projetos que pedem a prorrogação do programa em 2021 estejam tramitando no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro confirmou que não pretende continuar com o benefício este ano.


Dessa forma, milhões de brasileiros ficarão de fora, precisando buscar uma nova fonte de recursos para sustentar suas famílias. Existem vários outros benefícios sociais oferecidos pelo Governo Federal que podem ajudar a mitigar os efeitos da pandemia Covid-19 após o fim do auxílio emergencial.


O principal requisito para ter acesso a esses programas assistenciais é a inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Trata-se de uma base de dados, na qual estados, municípios e União encontram informações úteis para melhor compreender a realidade socioeconômica das famílias de baixa renda em diferentes regiões do país.


O CadÚnico reúne informações sobre cada familiar, como escolaridade, situação de emprego e renda, além de características de composição familiar e residência, entre outras.


Benefícios sociais do Governo Federal

Atualmente, o governo oferece pelo menos 22 programas sociais, cuja inscrição é feita através do CadÚnico.
Confira a lista a seguir:


  • Água para Todos
  • Aposentadoria para pessoas de baixa renda
  • Benefício de Prestação Continuada (BPC)
  • Saco de Seca
  • Bolsa de Família
  • Bolsa Verde (Environmental Conservation Support Program)
  • Carta Social
  • Carteira de Idosos
  • Crédito de instalação
  • Enem
  • Promoção de Atividades Produtivas Rurais/Assistência Técnica e Extensão Rural
  • Identidade jovem (ID jovem)
  • Isenção de Pagamento de Taxa de Inscrição em Concursos Públicos
  • Programa Brasil Alfabetizado
  • Programa Cisterna
  • Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti)
  • Programa Minha Casa Minha Vida
  • Programa Nacional de Crédito Fundiário
  • Programa Nacional de Reforma Agrária
  • Serviços de Assistência
  • Tarifa Social de Eletricidade
  • Telefone Popular

Vale lembrar que este ano, o CadÚnico também foi utilizado para a matrícula em auxílio emergencial, destinado a trabalhadores informais, desempregados e famílias de baixa renda que tiveram sua renda comprometida durante a pandemia.


Como se cadastrar?

Para ser incluída no CadÚnico, a família deve cumprir o requisito de renda. Dessa forma, o cadastro pode ser feito por famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou até três salários mínimos no total.


Cada família deve ter um recordista. Essa pessoa deve ter mais de 16 anos e, preferencialmente, ser mulher. Para se inscrever, basta procurar um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS). As inscrições também podem ser feitas por agentes municipais vinculados às secretarias municipais de Ação Social.


O responsável deverá apresentar os documentos pessoais de todos os familiares, como certidão de nascimento, carteira de identidade, CPF, certidão de casamento, carteira de trabalho e título de eleitor. No caso das famílias indígenas, também será aceita a Certidão de Nascimento Indígena (RANI).