Header Ads Widget

Últimas Notícias

6/recent/ticker-posts

Confira quem terá o 13º salário do INSS antecipado no início de 2021.

Imagem:Google

Em 2021, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderá ter que antecipar o pagamento do 13º salário, seguindo o decreto nº 10.410 publicado no Diário Oficial da União (DOU) em 1º de julho de 2020.

Como aconteceu este ano, no próximo ano é possível que os salários sejam pagos antecipadamente para movimentar a economia


No próximo ano, o pagamento da primeira parcela do 13º salário será pago em agosto, com 50% do benefício. A segunda parcela será paga em novembro.


Quem pode receber o 13º salário do INSS antecipadamente?

  • Auxílio-doença;
  • Auxílio a acidentes;
  • Aposentadoria;
  • Pensão por morte;
  • Auxílio de reclusão;
  • Salário maternidade.


Fim do auxílio emergencial

Por causa do fim do pagamento do auxílio emergencial, aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão receber antecipadamente seu 13º salário.


Se houver uma nova onda de coronavírus, a equipe econômica de Jair Bolsonaro tem um plano de contingência.


Esse plano permite a antecipação do 13º salário para o segurado. Além disso, o pagamento do abono salarial pode ser liberado, que é como se fosse um 14º salário pago aos aposentados que ganham até 2 salários mínimos.


Antecipação do 13º salário do INSS em 2020

No período da pandemia causada pelo novo coronavírus, o 13º salário foi pago antecipadamente.


Também foi antecipado o calendário do abono salarial e a cobrança de impostos que seriam pagos por empresas e microempreendedores.


Equilíbrio

Foi tomada um balanço dos custos de enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.


Segundo levantamento realizado recentemente pelo Ministério da Economia, o governo gastou R$ 599,5 bilhões para combater o Covid-19. Boa parte do total, R$ 321 milhões, correspondeu ao pagamento de auxílio emergencial.


Em relação à preservação do teto de gastos, Guedes defendeu a manutenção do limite para um período em que reformas estruturais que flexibilizam o orçamento não sejam aprovadas.


"Ou a classe política está comprometida em controlar o Orçamento ou nós permanecemos sob controles automáticos, gatilhos que são impostos pela nossa própria falta de disciplina para assumir o Orçamento, como fizemos em 2020", disse Guedes.