NOVA bandeira tarifária começa a valer esse mês; como fica sua conta de luz?


Em janeiro, os brasileiros pagarão a conta de luz com a bandeira amarela. Em dezembro, os consumidores tiveram que pagar um valor extra, pois a cobrança da conta estava sendo baseada na faixa vermelha.


A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu que em janeiro de 2021 os brasileiros terão a conta de luz com base na bandeira tarifária amarela. Isso significa que será um pouco mais barato do que no mês anterior.


Com a decisão da Aneel, a cada 100 quilowatts-hora consumidos o brasileiro será cobrado R$ 1,34. Esse valor é bem inferior ao da bandeira vermelha 2 cobrada em dezembro de 2020, que era de R$ 6,20 a cada 100 kwh.


Essa mudança de bandeira foi justificada pela ANEEL, afirmando que o nível da água nos afluentes vem aumentando devido à grande quantidade de chuvas ocorridas no último mês de 2020.


Com as chuvas o nível de reservatórios e usinas hidrelétricas aumentou e, portanto, a necessidade de buscar outras fontes de energia não é tão grande quanto no mês passado. Isso torna a conta de luz mais barata.


Essa economia é uma ótima notícia, especialmente para as famílias mais pobres que ainda enfrentam os impactos negativos gerados pela pandemia Covid-19 ao longo de 2020.



Ao todo, estão com uma economia de R$ 4,86 a cada 100 kwh. Assim, se um consumidor gasta 1.000 kwh por mês pago em dezembro R$ 62,00 e em janeiro pagará R$ 13,40.


Bandeiras tarifárias de conta de luz

A ANEEL utiliza bandeiras para sinalizar as condições que estão sendo utilizadas para gerar energia. Portanto, quanto mais for necessário buscar outras fontes, mais cara a conta será paga pelos brasileiros.


São quatro cores: verde, amarelo, vermelho 1 e vermelho 2. A bandeira verde indica que a produção de energia em usinas hidrelétricas é favorável e, portanto, não é necessário buscar outras fontes de energia e não haverá aumento da tarifa.


À medida que o nível de água nas usinas diminui, é necessário procurar outras fontes para continuar disponibilizando a quantidade de energia que é exigida. Com isso, são ativadas bandeiras amarelas (R$ 1,34 a cada 100 kwh), vermelhas 1 (R$ 4,16 a cada 100 kwh) e 2 (R$ 6,24 a cada 100 kwh).