Caixa confirma Empréstimo para inscritos no Auxílio Emergencial; Veja como solicitar.

 

Imagem:Google

A proposta da Caixa Econômica Federal é disponibilizar R$ 10 bilhões para microempreendedores que receberam o auxílio emergencial. Serão ao todo 10 milhões de beneficiários contemplados pelo serviço de empréstimo, caso necessitem para investir no seu próprio negócio.


Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, confirmou a proposta de disponibilizar microcrédito aos beneficiários do auxílio emergencial após o fim da pandemia. O empréstimo será com juros reduzido e condições especiais.


No vídeo, divulgado no canal oficial do banco no YouTube, Guimarães voltou a lembrar sobre a criação da conta Poupança Social Digital e destacou que esse é o maior banco digital da América Latina com 105 milhões de contas.


Guimarães também destacou que esse banco foi responsável pela bancarização de 35 milhões de brasileiros. É importante destacar neste momento, que esse número deve aumentar, pois os contemplados pelo Bolsa Família começaram a receber o benefício na conta digital.



Neste mês de dezembro, os beneficiários com o Número de Identificação Social (NIS) terminado em 9 e 0 já receberam o depósito na conta digital e já estão bancarizados. A proposta da Caixa é fazer essa integração de forma gradual para não congestionar a plataforma.


Dessa maneira, todos os meses, dois ou três grupos serão bancarizados e poderão usar todas as funções da fintech. Sendo assim, através do aplicativo Caixa TEM poderão fazer compras e pagamentos pelo cartão de débito virtual ou direto na maquininha do estabelecimento pelo QR Code. Veja mais informações:



Outra função é fazer transferência bancária para qualquer banco, inclusive outra conta da Caixa Econômica, sem nenhuma cobrança. O limite de cada operação é de R$ 600 e o limite diário é de R$ 1.200. E os usuários ainda podem fazer operações bancárias pelo PIX.


Além de todas essas funções, a proposta da Caixa é dispor de microcréditos para essa população, com o intuito de oferecer condições para os microempreendedores atingirem a mudança da condição financeira.


A proposta inicial pensada pelo banco é ofertar empréstimos de até R$ 1.000 com um prazo de pagamento que pode variar entre três e cinco anos. Além disso, o empréstimo terá juros mais baixos dos que já são cobrados no mercado.

Fonte:Fdr