Últimos dias para segurados do INSS solicitarem empréstimo consignado com margem MAIOR.

Imagem: Google

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), têm o prazo até 31 de dezembro para solicitar o empréstimo com margem maior.


Nesta data, a condição para que o segurado ocupe até 40% de sua renda com essa forma de crédito com desconto na folha de pagamento, destes 35% com empréstimo à vista e 5% com cartão. 


Depois disso, as regras são novamente as mesmas de antes, em que é permitido comprometer apenas 35% de sua remuneração.


Essa margem foi ampliada pelo governo federal com a intenção de estimular a economia e ajudar pessoas que podem ter sido impactadas pela crise do novo coronavírus. 

Mesmo com boa medida para o beneficiário, a ação também escondeu os riscos, segundo especialistas. 


Entre janeiro e julho deste ano, foram realizados aproximadamente 11.158.760 empréstimos consignados, totalizando R$ 62,79 bilhões em todo o país.

Segundo o Procon, o crédito consignado é um problema frequente entre as reclamações.


Os principais são no que diz respeito ao empréstimo automático, sem que o consumidor solicite que o empréstimo seja feito. 


Na forma de empréstimo com cartão, o segurado denuncia os juros abusivos e o chamado "rotativo" que é o refinanciamento do empréstimo, sem que isso exija autorização prévia. 

Nesses casos, o Procon orienta os beneficiários a tomarem um empréstimo e avaliarem as possibilidades.


Rogério Athayde, presidente da agência, disse que " As instituições financeiras oferecem um produto e entregam outro. Não há informações claras sobre o que o consumidor está contratando e os mais feridos são idosos e aposentados que muitas vezes, sem perceber, aceitam empréstimos desnecessários que reduzirão o valor do benefício por meses", alertou.


Segundo o economista Otniel Barcelos de Aquino, outra coisa que deve ser observada é a renda do beneficiário, que muitas vezes é seu único meio de sustento.


"A banalização do crédito para pessoas de baixa renda pode ser vista como positiva. Mas na verdade é preocupante, porque aumentou o limite, sem aumentar a renda do beneficiário e isso não é nada vantajoso", apontou.a