Novo Golpe debita consignado do INSS sem autorização do pensionista; Veja!

Imagem:Google

Na tentativa de aplicar golpes, aposentados e pensionistas têm sido um dos principais alvos dos criminosos. Um novo golpe criado faz com que o empréstimo consignado do INSS seja depositado na conta do aposentado sem autorização.

Entenda mais sobre essa modalidade.


Este golpe foi cometido por criminosos de uma maneira diferente. Em vez de utilizar o crédito consignado do aposentado, para que a vítima possa assumir o dano, essa nova modalidade faz com que um valor desconhecido seja depositado na conta do beneficiário sem autorização.


Porque a vítima estaria recebendo o valor, em vez de perder, o golpe pode parecer estranho. Mas criminosos podem lucrar com as operações. Neste caso, para cada empréstimo, há comissionamento e remuneração de taxas de desempenho para corretores de bancos e corretoras.


Portanto, ao fazer um contrato de empréstimo em nome das instituições, o correspondente poderá receber até 6% em dinheiro do valor de cada transação contratada. Esse valor é recebido como comissão.
Além disso, há outros pagamentos sendo feitos durante o contrato.


Dessa forma, o golpista recebe como comissão a porcentagem de cada operação. Apesar de ser uma pequena parcela, na soma de todas as transações feitas em nome das vítimas, o golpe pode ser vantajoso para o criminoso. Os golpistas têm foco em pessoas que já fizeram empréstimos voluntariamente.


O que fazer se você cair no golpe

Ao perceber o valor extra na conta, o aposentado não deve sacar o dinheiro. Se o valor for movimentado, será mais difícil para a instituição desfazer a movimentação financeira já realizada.


Além de devolver o dinheiro depositado, o aposentado pode fazer um boletim de ocorrência, para que a situação possa ser investigada. Como forma de reverter a ação, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a instituição financeira devem ser responsáveis pela reparação.


Para que problemas como esse sejam mais facilmente identificados, o beneficiário deve ter o hábito de acompanhar as finanças pessoais. Isso facilita a detecção de movimentações suspeitas na conta.