FGTS emergencial: Como solicitar o NOVO saque de R$1.045 usando pelo aplicativo?

Imagem: Google

Desde segunda-feira (7), cerca de 15 milhões de trabalhadores brasileiros que têm contas vinculadas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e não fizeram o caixa emergencial de R$ 1.045, podem manifestar seu pesar e pedir à Caixa que libere o dinheiro novamente.


Para cumprir o requisito, você deve usar o aplicativo do FGTS que está disponível para telefones com sistemas Android e iOS.


No entanto, aqueles que desejam fazer essa solicitação devem estar cientes, já que o prazo final é 31 de dezembro.


Este ano, por causa do novo coronavírus, o governo liberou a comissão emergencial do FGTS para 60 milhões de pessoas, como forma de compensar os trabalhadores do setor privado que acabaram perdendo seus rendimentos ou tiveram ganhos reduzidos nessa pandemia. 


Ao todo, cerca de R$ 37,8 bilhões foram liberados e cerca de R$ 7,9 bilhões ainda aguardam a retirada.


Podem solicitar a todos aqueles que possuem saldo em uma de suas contas ativas ou inativas do Fundo de Garantia, que tiveram o valor de até um salário mínimo transferido para uma poupança social digital aberta pela Caixa exclusivamente para esse fim.


O banco estabeleceu um calendário de depósitos, seguindo os meses de nascimento dos cotistas que podem fazer o depósito de 60 dias.


Nesse período, o trabalhador pode realizar a movimentação de dinheiro através do aplicativo caixa. 


Então, dependendo do calendário, o dinheiro pode ser sacado ou até mesmo transferido para outro banco.


O valor máximo que pode ser sacado pelos trabalhadores foi limitado pelo governo a R$ 1.045.


Por causa da pandemia, até o último dia do ano, o direito ao arrependimento é garantido.


Esse saque é único, portanto nenhum trabalhador poderá sacar mais de R$ 1.045, inclusive somando os saldos de todas as suas contas vinculadas ao FGTS.


Primeiro, o dinheiro é debitado das contas inativas com saldo menor, depois das contas que têm saldo maior até chegar à conta ativa. Aqueles que têm um saldo inferior a um salário mínimo podem zerar o fundo.