ENEM 2020 inicia inscrições para público PPL; veja como se cadastrar.

Imagem: Google

Pessoas privadas de liberdade (PPL) já podem se inscrever no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O prazo terminará em 11 de dezembro.

As inscrições podem ser feitas pelo oficial pedagógico da unidade prisional ou socioeducativa.


As provas do ENEM para PPL serão realizadas nos dias 23 e 24 de fevereiro de 2021. Os órgãos de administração prisional e socioeducativa devem ter assinado convênio com o Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para que possam inscrever os participantes.


Para que o teste seja realizado, o local deve ter a estrutura física adequada. O Ministério da Educação ressalta que cada unidade prisional ou socioeducativa terá um responsável pedagógico com acesso ao sistema de cadastro e funcionalidades.


Dessa forma, a pessoa designada poderá acompanhar o processo de registro, determinar as salas de provas e a transferência entre as unidades — quando necessário — e excluir aqueles que tiverem a liberdade decretada.

O acompanhamento dos resultados também é de responsabilidade do profissional.


No ato da inscrição, será necessário informar o CPF, documento de identidade com foto e número de identificação interna do participante. O sistema, então, oferece a possibilidade de informar se o interessado precisa de atendimento específico ou especializado.


Enem PPL

O Enem para Pessoas Privadas de Liberdade tem o mesmo formato de resolução do exame tradicional. Então, haverá 180 perguntas.


Do total, você terá 45 questões de Linguagens e Códigos, 45 de Ciências Humanas, 45 de Ciências da Natureza e 45 de Matemática. Além disso, o participante terá uma redação.


Os participantes com 18 anos de idade podem utilizar o resultado do teste como mecanismo único, alternativo ou complementar para ingressar no ensino superior.


No caso de menores de 18 anos, os "treinadores", só podem fazer a prova com o objetivo de avaliar os conhecimentos.


O Enem PPL do ano passado teve 46.240 inscrições. Foram aprovadas 1.228 instituições para a aplicação do exame em 25 estados e no Distrito Federal. O Estado de São Paulo foi a região com mais registros — com 15.826 registros. Em seguida, o estado de Minas Gerais teve 4.959 inscritos.