Brasileiros têm até 31 de dezembro para solicitar o saque emergencial do FGTS.

Imagem:Google

O prazo inicialmente estabelecido para a movimentação da saída emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) já terminou.

Assim, aqueles que não movimentaram o benefício, no valor de até R$ 1.045, tiveram o dinheiro devolvido na conta vinculada com correção proporcional ao período em que estava na poupança digital.


A devolução dos valores leva até sete dias corridos para ser processada. Segundo a Caixa Econômica Federal, que é o agente financeiro na transferência de recursos do FGTS, foram devolvidos cerca de R$ 7,9 bilhões que não foram movimentados.


Vale lembrar que o saque emergencial, liberado para dar apoio financeiro aos trabalhadores afetados pela pandemia, não era obrigatório. Assim, aqueles que optaram por não sacar o valor devem comunicar sua decisão ao caixa com antecedência, ou mesmo deixar de movimentar o dinheiro e aguardar o retorno automático à conta do Fundo de Garantia.


Nova chance de sacar o FGTS emergencial

A Caixa dará uma nova oportunidade para quem perdeu o prazo para movimentar o saque emergencial do FGTS. O benefício, que é depositado primeiramente na conta poupança social digital e pode ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem, e após alguns dias é liberado para saques e transferências bancárias, foi devolvido para quem preferiu não realizar as transações.


Os trabalhadores que utilizaram o dinheiro de alguma forma, seja para pagar contas por meio do aplicativo ou transferir parte do valor para outras contas, por exemplo, podem fazer o saque até 31 de dezembro de 2020.


Quem acabou perdendo o prazo, mas ainda quer ter acesso ao saque de até R$ 1.045, pode fazer uma nova inscrição na Caixa até 31 de dezembro. Para isso, basta comparecer a uma agência e fazer o pedido.


Segundo a instituição, quem teve o valor devolvido por falta de movimentação e procurar o banco para solicitar o benefício dentro do novo prazo terá o saldo novamente transferido para a conta digital da Caixa aberta em nome do trabalhador, que poderá fazer a mudança normalmente pela Caixa Tem.


O Estado informou que foram distribuídos R$ 37,8 bilhões entre 60 milhões de trabalhadores, dos quais 20,9% não movimentaram o benefício e tiveram os valores devolvidos à conta vinculada.