FGTS poderá ser sacado com Pix a partir de janeiro.

 

A partir de janeiro, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) poderá ser recolhido por meio da Pix, anunciou hoje (22) o diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central (BC), João Manoel Pinho de Mello.

Na abertura da 11ª sessão plenária do Fórum Pix, ele declarou que o BC assinou um acordo de cooperação técnica com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho para permitir a cobrança por meio do novo sistema de pagamento instantâneo.


Segundo Pinho, a novidade deverá entrar em operação em janeiro e será lançada junto com o FGTS Digital. A nova plataforma visa centralizar o cálculo, arrecadação, arrecadação e lançamento de contribuições para o Fundo de Garantia.


Segundo a Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, o novo sistema reduzirá custos para as empresas. Isso porque os empregadores deixarão de emitir cerca de 70 milhões de guias de cobrança por ano e poderão monitorar digitalmente o pagamento e a alocação de contribuições.


Durante o evento, o diretor do Banco Central acrescentou que o uso do Pix para o recolhimento do FGTS aumenta a concorrência entre as instituições financeiras. Segundo Mello, não será necessário estabelecer acordos entre a empresa e um banco, como acontece hoje.


Expansão

A cobrança de obrigações fiscais e trabalhistas e o pagamento de impostos estão sendo gradualmente transferidos para o novo modelo. Em novembro, o Tesouro Nacional lançou o PagTesouro, uma plataforma de pagamento digital integrada à Pix.


No início de dezembro, a Receita Federal e o Banco do Brasil assinaram um acordo que permite que algumas empresas paguem impostos com um QR code (versão avançada do código de barras) para o sistema Pix. A novidade foi lançada para empresas obrigadas a entregar a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais, Previdência Social e Outras Entidades e Fundos (DCTFWeb).


Com o código QR, o contribuinte simplesmente abrirá o aplicativo do banco, ativará o Pix e apontará o telefone para o código, que será lido pela câmera móvel. No início do próximo ano, a Receita Federal pretende estender a opção para guias de cobrança do eSocial de empregadores domésticos e microempreendedores e pagamento do Simples Nacional. Ao longo de 2021, o Fisco quer incluir o QR code em todos os documentos de cobrança, através dos quais 320 milhões de pagamentos de impostos são feitos por ano.