Alguns destaques para conseguir Crédito consignado do INSS e aumentar sua margem.


Com o aumento de 30% para 35% do limite de crédito consignado apresentado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) nos últimos dias, aposentados e pensionistas podem solicitar um valor maior para o empréstimo.


 

A Caixa Econômica aumentou a margem de empréstimo consignado do INSS, válida até o final deste ano, quando termina o Decreto de calamidade pública devido à pandemia covid-19 e à validade da Medida Provisória.


Agora aposentados e pensionistas do INSS podem comprometer até 40% do valor recebido, sendo 35% para o empréstimo e 5% para o cartão de crédito. Dessa forma, foi aumentado 5% para o empréstimo.


Segundo a Caixa Econômica Federal, "Além de aumentar o percentual de comprometimento de renda destinado ao empréstimo, a medida destina um percentual de até 5% do valor total do benefício para saques ou pagamento da fatura do cartão de crédito, totalizando 40%."


Assim, o beneficiário que recebe um salário mínimo (R$ 1.045), a parcela mensal do empréstimo não poderia exceder o valor de R$ 313,50 e R$ 52,25 para o cartão de crédito consignado. Agora com a mudança as parcelas podem ser de R$ 365,75, ou seja, 16% a mais do que o normal.



Os juros cobrados são especiais, pois se trata de um empréstimo garantido e as parcelas são cobradas diretamente do benefício. Os juros variam entre 1,34% e 1,50% para um período de até 84 parcelas, ou seja, sete anos.


Os beneficiários que desejam contratar a linha de crédito consignado devem consultar a renda mensal, observando o que já foi empenhado e o valor disponível.


Para isso, basta acessar o aplicativo "Meu INSS" e selecionar a opção "Declaração de Empréstimo consignado", onde será apresentado o valor disponível para uso.


Segundo o INSS, o segurado pode fazer até nove empréstimos, com incidência de 1,8% de juros durante os sete anos.


No entanto, aqueles que já utilizaram toda a margem de crédito disponível não podem mais solicitar novos empréstimos até que paguem pelo menos uma das dívidas.


"O prazo do contrato original também pode ser aumentado na renovação, seja para diminuir o valor das parcelas mensais ou para aumentar o valor do crédito a ser recebido", disse a Caixa Econômica Federal sobre portabilidade.



A Caixa Econômica aumentou a margem de empréstimo consignado do INSS, válida até o final deste ano, quando termina o Decreto de calamidade pública devido à pandemia covid-19 e à validade da Medida Provisória.


Agora aposentados e pensionistas do INSS podem comprometer até 40% do valor recebido, sendo 35% para o empréstimo e 5% para o cartão de crédito. Dessa forma, foi aumentado 5% para o empréstimo.


Segundo a Caixa Econômica Federal, "Além de aumentar o percentual de comprometimento de renda destinado ao empréstimo, a medida destina um percentual de até 5% do valor total do benefício para saques ou pagamento da fatura do cartão de crédito, totalizando 40%."


Assim, o beneficiário que recebe um salário mínimo (R$ 1.045), a parcela mensal do empréstimo não poderia exceder o valor de R$ 313,50 e R$ 52,25 para o cartão de crédito consignado. Agora com a mudança as parcelas podem ser de R$ 365,75, ou seja, 16% a mais do que o normal.


Os juros cobrados são especiais, pois se trata de um empréstimo garantido e as parcelas são cobradas diretamente do benefício. Os juros variam entre 1,34% e 1,50% para um período de até 84 parcelas, ou seja, sete anos.


Os beneficiários que desejam contratar a linha de crédito consignado devem consultar a renda mensal, observando o que já foi empenhado e o valor disponível.


Para isso, basta acessar o aplicativo "Meu INSS" e selecionar a opção "Declaração de Empréstimo consignado", onde será apresentado o valor disponível para uso.


Segundo o INSS, o segurado pode fazer até nove empréstimos, com incidência de 1,8% de juros durante os sete anos.


No entanto, aqueles que já utilizaram toda a margem de crédito disponível não podem mais solicitar novos empréstimos até que paguem pelo menos uma das dívidas.


"O prazo do contrato original também pode ser aumentado na renovação, seja para diminuir o valor das parcelas mensais ou para aumentar o valor do crédito a ser recebido", disse a Caixa Econômica Federal sobre portabilidade.