Pensão por morte do INSS: Como ter o direito? Qual valor do beneficio?


A pensão por morte do INSS serve para cuidar economicamente de todos os dependentes do trabalhador falecido.

O objetivo é que essas famílias não sofram, e não sejam desamparadas financeiramente, após a morte do segurado previdenciário.


A pensão por morte é paga mensalmente aos dependentes do segurado falecido ou que tem sua morte declarada judicialmente em caso de desaparecimento.


O trabalhador que morre não precisa necessariamente ter se aposentado para que os dependentes recebam a pensão.


O importante é que ele esteja contribuindo para a Previdência Social ou esteja dentro do período de carência na data do óbito, ou seja, dentro do período que garante a condição de segurado, mesmo sem contribuir.


A duração desse período varia de três meses a três anos, de acordo com o tempo de contribuição, o tipo de segurado e se ele foi demitido.


Beneficiários da pensão por morte do INSS

Para ter direito é necessário comprovar a dependência financeira, por esse motivo, o benefício do INSS é pago a cônjuges ou sócios em união estável ou divorciada e recebido pensão alimentícia por quatro meses, a partir da morte.


Para isso, o falecido deve ter tido dezoito contribuições mensais para a Previdência Social. E o casamento ou união estável deve ter começado em menos de dois anos antes da morte do segurado.


Além disso, também são caracterizados como dependentes:


Crianças e enteados com menos de 21 anos ou com deficiência (desde que não tenham sido emancipados);


Pais e irmãos (se não houver filhos ou cônjuges e os pais do segurado não estiverem mais vivos ou se não dependessem dele; filhos menores de 21 anos ou deficientes).


Valor da pensão por morte do INSS

O valor da pensão varia de acordo com a situação do contribuinte. Assim, os dependentes dos falecidos que se aposentaram têm direito a receber 50% do valor da aposentadoria mais 10% para cada dependente, limitado a 100%.


No caso dos contribuintes que não fizeram a aposentadoria, o cálculo é diferente, e o INSS precisa realizar um estudo de quanto o trabalhador falecido receberia em uma aposentadoria por invalidez permanente.


Com esses dados, a pensão é, como o caso anterior, 50% desse valor mais 10% para cada dependente. No entanto, mesmo que o cálculo seja inferior a um salário mínimo, os pensionistas não podem receber menos do que isso.


Nos casos em que há morte por acidente de trabalho, trabalho ou doença do trabalho, a regra é 100% da média salarial.


Com isso, independentemente do número de dependentes, os beneficiários receberão o valor total que o trabalhador recebeu no trabalho.


Solicite a pensão por morte do INSS

Acesse o portal Meu INSS;

Faça login;

Escolha a opção "Horários/Requisitos";

Clique em "novo aplicativo";

Selecione a opção "Atualizar";

Atualize os dados que você acha pertinentes e clique em "avançar";

Digite no campo "pesquisar" a palavra "pensão" e selecione o serviço desejado;

Acompanhe o andamento pelo Meu INSS, nos Horários/Requisitos de Opção.

Se for necessário comparecer a uma das agências do INSS para comprovar qualquer informação o segurado será comunicado com antecedência.


Documentos para solicitar a pensão por morte do INSS

Certidão de óbito ou documento que comprove a morte presumida, ou;


Comunicação de Acidente de Trabalho - CAT (em casos de morte por acidente de trabalho);


Documentos que comprovem a qualidade do dependente (Certidão de Casamento/Nascimento, Certidão do Tribunal de Justiça, Declaração do Imposto de Renda do segurado, no qual o interessado como seu dependente, entre outros).


Além disso, o Escritório pode solicitar outros documentos, dependendo da situação, tais como:


  • Procuração ou termo de representação legal;
  • Identificação com foto;
  • CPF do advogado ou representante, se houver;
  • Documentos pessoais de dependentes;
  • Documentos pessoais do segurado falecido;
  • Documentos relativos às relações previdenciárias do segurado falecido.