França anuncia novo lockdown a partir de sexta-feira, em meio à segunda onda da pandemia do COVID-19.


SÃO PAULO - Após a Alemanha, o presidente da França, Emmanuel Macron, decretou nesta quarta-feira (28) um bloqueio parcial em todo o território nacional a partir da próxima sexta-feira (30), na tentativa de conter a segunda onda do novo coronavírus.


Segundo o presidente, o novo bloqueio deve durar pelo menos até 1º de dezembro. As escolas permanecerão abertas e funcionando, enquanto os comércios não essenciais permanecerão fechados. As fronteiras com os países da União Europeia permanecerão abertas.


A média móvel de casos nos últimos sete dias disparou no país, chegando a 38.278 na última terça-feira (27), um aumento de 50% em relação à semana passada. O último boletim do governo registrou mais 523 mortes relacionadas à doença em um único dia, o maior número desde abril.


Macron anunciou as novas restrições em um discurso no Palácio Elíseo, em Paris, após uma reunião de emergência do governo sobre a pandemia.
Confira o que será lançado ou não durante este novo bloqueio:


Novas restrições

As pessoas só podem sair de casa para ir trabalhar, escola, consulta médica, para ajudar os entes queridos, fazer compras essenciais ou se exercitar;


  • É proibida a viagem entre regiões do país;
  • Bares, restaurantes e negócios não essenciais serão fechados;
  • Sempre que possível, o trabalho deve ser remoto;
  • As universidades e o ensino superior serão ensinados principalmente online;
  • As fronteiras internacionais serão praticamente fechadas (veja abaixo);

O que é permitido

  • As escolas permanecerão abertas;
  • As fronteiras da França com os países da União Europeia permanecerão abertas;
  • As empresas essenciais permanecerão abertas
  • A maioria dos serviços públicos permanecerá aberta;
  • Fábricas, fazendas e canteiros de obras podem continuar funcionando;
  • Os cidadãos franceses podem voltar do exterior;
  • Asilos podem aceitar visitas;
  • Funerais são permitidos;

Alemanha

Vale ressaltar que na Alemanha a chanceler Angela Merkel e os primeiros-ministros dos Estados concordaram em implementar um segundo bloqueio parcial a partir da próxima segunda-feira (2), também devido ao aumento do número de casos.


Assim como na França, escolas e creches permanecerão abertas e lojas de varejo e atacado poderão funcionar. Estadias em hotéis, exceto em situações de emergência, serão proibidas. Em relação ao home office, todos aqueles que podem trabalhar em casa devem fazê-lo (saiba mais aqui).


*Com informações da Ansa